BEDA · Cartas e Escritos

[BEDA #4] – Casa

Depois de um dia tão corrido, cheguei em casa. Ao passar pelos portões, no entanto, me deparo com uma estrutura totalmente diferente da casa onde eu habito. Mesmo sendo totalmente intrigante, não deixo de conferir se as fechaduras coincidem, apesar da notória diferença visual.

A casa dos meus sonhos.

Totalmente aberta, em todos os sentidos. Ampla, com suas paredes feitas de vidro. Tão frágil, mas tão resistente; tão delicada e forte, simultaneamente. Todas as impressões que já me ocorreram durante a vida sobre como uma casa deveria ser, essa possui.

Apesar de parecer impossível que tal reforma ocorresse num espaço de tempo tão curto quanto um dia, nada me tira a certeza de que essa é, de fato, minha casa.

No entanto, enquanto caminho, não encontro nenhum dos meus cães e nem meus pais, que geralmente ficam a aguardar meu retorno. Não se parece com a minha casa, mas não tem como não ser ela.

A porta não está trancada.

Entro e percebo uma lareira acesa. Não tinha me dado conta de que eu estava congelando, então me rendo ao calor proveniente do fogo, apesar de saber que na minha casa jamais houvera lareira antes. Tudo em mim se renova, então percebo que não estou sozinha. Eu nunca estive. Me dou conta, então, de onde estou.

Essa casa sou eu, a presença é Sua.

O fogo da Sua presença muda tudo ao meu redor, enquanto eu percebo que em tudo há um toque da Sua alegria. Você me encontra e me puxa para um abraço, diz que sentiu minha falta e me embala em Teus braços.

Enquanto rodopiamos pela sala, como que ao som da mais bela composição já produzida no mundo – as batidas do Seu coração -, olho ao redor e vejo Seus detalhes em todo o canto. Você está em todos os lugares e nossa casa é nosso refúgio. Aqui é onde Você habita – em mim – e eu sou o deleite da Sua criação. A mais perfeita combinação.

Sei que aqui as coisas não estão em plena ordem, mas a ordem que aqui já habita vem de Ti. Eu não conseguiria organizar essa casa sem Sua presença, eu não conseguiria limpar nada sozinha. Obrigada por trazer tamanho auxílio e calor. Obrigada pela lareira sempre acesa e pela mesa posta que me aguarda todos os dias. Nada do que eu fizer vai bastar pra retribuir tudo que Você fez desde que chegou em mim.

Meu Amado, obrigada por comigo habitar e diariamente me renovar. Sei que eternamente deitada em Teus braços então eu hei de estar, até que enfim possa eu Lhe contemplar e no celeste Lar então, ao Teu lado, morar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s