BEDA · Cartas e Escritos

[BEDA #18] – A História de um Boneco

Não sei onde eu estou, mas sei que não é exatamente onde eu pensei estar.

Acabei de abrir meus olhos e olhar de fato ao meu redor… Por que uma construção fazem as pessoas entrarem no “modo automático”? Parece que todo mundo encena aqui – e eu achando que aqui encontraria sinceridade.

O que eu estou fazendo aqui? O que eu estou buscando aqui?

Não lembro, faz tanto tempo que minha mente está habituada ao modo mecânico desse lugar que pensar agora exige o maior dos meus esforços.

Parece que os corações deles estão corrompidos com o que eles condenam. Espere, eu também faço isso com frequência! Ah, mas é que me disseram que ir lá ia me ajudar a ser alguém melhor, só que ir lá não tá me ajudando em nada. A cada dia que passa e eu me vejo no espelho eu só enxergo alguém cada vez mais deplorável.

A gente tinha que fazer alguma coisa… Diferença! Mas do que mesmo? Se eu vejo acordos calados em parceria com o que mais nos amaldiçoa…

E é esse o motivo de não termos crédito com as pessoas.

Ah, é isso! Diferença, claro. As pessoas querem nos ver diferentes do mal que habitam nelas, lembrei! Só que eu não sei bem como eu poderia ser diferente do mal, é o que eu vejo o tempo todo. Eu nasci má e convivo com pessoas que também nasceram assim. Bom, parece que todo mundo se acostumou. Como eu seria diferente do que eu sou?

Mas por que nós temos que ser diferentes mesmo? Não me lembro.

Aliás, qual o significado desse lugar?

Olho ao meu redor e encontro um símbolo. Aquele que é o símbolo da minha fé, mas qual o nome? Cruz! Isso, a cruz. Ela que simboliza o que eu acredito, foi o que me disseram, mas eu não sei bem o significado de nada aqui. Bom, essas pessoas ao meu redor poderão me ajudar.

HE-EY, VOCÊ PODE ME AJUDAR A ENTENDER O QUE ESTÁ ACONTECENDO AQUI? Por favor, é que parece que eu acabei de acordar e não me recordo de nada do que aconteceu…

É, ele não me ouviu, então vou lá falar com ele. Olá, eu sou a… Espere, você não se mexe, ninguém nesse lugar se mexe, isso parece um museu de bonecos, todos parados e imóveis.

Estranho, no mínimo.

EI, ESPERE, MINHAS ROUPAS SÃO IGUAIS AS DELES! Isso significa que eu sou uma boneca como eles!

Mas, se eu consigo me mover, então por que estou nesse lugar?

Todos esses bonecos são tão familiares, parecidos com as pessoas com quem eu convivo frequentemente, e todos estão parados como estátuas, gélidos e frios. Bom, parece que sou a única aqui que ainda se move, mas estou sozinha e não me lembro de muita coisa… Qual o propósito disso?

Eu só olho pra essas estátuas e tento imaginar sobre quem teria me tirado desse sono, que parece que atingiu todo mundo, até que eu sinto um som de respiração vindo detrás de mim, olho em direção ao som e vejo que é um Leão, que caminha entre esses bonecos.

Ele está vindo até mim, talvez ele possa me explicar o que é isso.

FINALMENTE ALGUÉM PARA ME EXPLICAR, VOCÊ PODERIA…?

Mas, antes que eu conclua a frase com as minhas dúvidas, percebo que todas elas somem. Eu não sei quais são meus questionamentos, mas sei que desse Leão parece vir respostas de tudo. Ele vem sobre mim e começa a fazer algo que parece um soprado e um rugido ao mesmo tempo e tudo está estranho e eu sinto muito medo. Momentaneamente.

O vento me atinge.

Eu me rendo a Tua presença.

Eu sei que Você é real. Eu sei as respostas cruciais. Eu sei o que devo fazer. Sei por que estou aqui e qual o significado disso tudo.

Eu aceito Sua missão.

Você me mostrou que eles estão cegos como eu estava. Você me resgatou para que possamos resgatar outros tantos.

Toda a farsa de todo esse tempo, toda essa vida de mentira e ilusão acabou pra mim, pois eu conheci a Verdade. Essa religiosidade se foi, pois só Você pode promover a mudança que o mundo espera ver de mim. É pra Você o que eu faço e é de Você que vem minhas palavras, então tudo em Ti se resume.

Eu não consegui sozinha por todo esse tempo. Eu menti pra Você, te enganei e fui uma farsante, mas Você mudou tudo com a Sua luz e a Sua realidade.

Eu sei que Você é real. Eu sei que Você é real.

E, mais que isso, sei que é chegada a Sua hora de despertar meus irmãos para a Sua realidade. Abba, conte comigo, pois eu sei que Você é real.

Eu sei que Seu amor é real.

E sei que eu me tornei alguém real graças a Você. Obrigada por isso.

Vamos, juntos, soprando do TEU vento e despertando aqueles que, como bonecos, ainda dormem, clamando em seus sonhos por algo real e sem máscaras. Clamando por Ti!

Este texto foi escrito inspirado na letra da música “Bonecos de Plástico”, da banda Palankin. Você pode ouvir ela aqui. Obrigada por ler até aqui e até amanhã, com mais BEDA.

Anúncios

2 comentários em “[BEDA #18] – A História de um Boneco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s