Blogagem Coletiva · Livros

Leituras Obrigatórias para o Mundo e Outras Indicações {BCR}

Olá, reclusos e reclusas de todos os cantos do mundo, prontos para vários posts de blogagem coletiva? Espero que sim! A partir de hoje se inicia uma maratona de temas que eu amei nas blogagens coletivas e que eu não podia apenas ignorar, então quase todos os dias vai ter post novo por aqui, espero que gostem!

Hoje o tema é grande, o assunto é necessário e faz parte da Blogagem Coletiva Relâmpago do grupo Interative-se, que é livros. A gente podia escrever de várias formas sobre o tema e eu passei vários dias pensando sobre o que dizer exatamente, já que é um tema tão bom que a gente até se perde nas possibilidades, então eu resolvi contar algo que eu notei não ter dito aqui no blog: eu escrevi um livro!

Não, eu não vou fazer um post falando sobre isso e fazendo propaganda. Na verdade eu nem escrevi, eu colaborei com a escrita. Acontece que recentemente, enquanto relia algumas partes, me veio num sobressalto a grande ideia de fazer um post indicando livros que abordam temáticas de “liberdade”.

Nossa, mas liberdade não é um tema muito vago não?

Sim, é. Esses livros são verdadeiras inspirações pra mim e espero que vocês entendam que a proposta é abordar temas que tratam da liberdade nas mais variadas formas e que foi/é roubada de determinados grupos de pessoas. Então deixe eu parar com tanta enrolação e passar logo para os livros, que eu também irei comentar individualmente. Tá, vocês vão ver.

~ℜ~

  • Mulheres

Se tem um livro que eu li na vida e que trata a temática da liberdade feminina muito bem (e que tem resenha no blog, confira aqui), esse livro se chama “Eu Sou Malala”. Já perceberam onde eu quero chegar com esse post? Se você nunca leu a história de vida dessa mulher exemplar, vamos para um breve resumo.

Malala é uma mulher que, quando tinha 15 anos, foi baleada na cabeça pelo Talibã por estudar. Isso mesmo, ela levou um tiro na cabeça, quase morreu SÓ por querer estudar. Ela foi a mais jovem ganhadora do prêmio Nobel da Paz em toda a história (ela ganhou esse prêmio com 17 anos), com um discurso que levou milhares de pessoas às lágrimas ao redor do mundo todo.

Voltando. Malala é um grande ícone hoje e, creio eu, por longos séculos de alguém que veio tratar da tão temerosa temática chamada “liberdade feminina”. Talvez nós, mulheres ocidentais, não sintamos na pele mais o que as mulheres orientais sentem, mas a opressão que as mulheres sofrem nesses lugares é enorme! Imagine você podendo ser presa, até morta, apenas por não sair de casa usando um véu ou por ser pega conversando com um homem que não seja seu marido?! Após a leitura da biografia da Malala eu conclui que as mulheres ocidentais têm MUITO a agradecer pelas conquistas realizadas, MUITO a lutar por mais igualdade (sim, igualdade está bem além de ter acesso livre à educação) e MUITO a ajudar as mulheres que vivem no Oriente. Nós podemos fazer a diferença.

~ℜ~

  • Negros

Okay, confesso que não terminei de ler o livro que vou indicar agora, mas já li o suficiente pra contar pra vocês. Ah, e fugindo um pouco do tema do post, que é só livros, vou linkar alguns outros posts que falam de séries com esse tema (a despeito de eu não assistir séries e não poder indicar para vocês). Se tem um livro que eu li e fala sobre essa temática, esse livro é “Doze Anos de Escravidão”. Espero em breve trazer Contando as Letras em breve, para falar melhor dele para vocês.

Eu não vou me ater à história aqui, mas a algo que é histórico: o preconceito racial e a segregação. Gente, isso parece que é coisa do tempo das cavernas, mas é super atual! Ainda existem pessoas que medem as outras pela cor da pele, ainda existem pessoas que pensam que negros não podem frequentar os mesmos ambientes que os brancos, ainda existem pessoas que insultam os negros apenas pela [nossa] cor de pele! Sabe, nenhum insulto convém, nem os “justificados”, sou contra até de se insultar um pedófilo, sabia? Ah, mas ele tem que mofar na cadeia, é bandido. Sabia que pode ser por causa de rótulos e julgamentos que ele se tornou o que é hoje? Nascendo de uma forma, como é o caso dos negros, ou se tornando algo, no caso de pedófilos que eu mencionei, nenhum insulto tem justificativa.

O preconceito existe e precisa urgentemente acabar!

Ah, e eu encontrei uns posts falando de umas séries na Netflix que abordam o tema do preconceito racial, um escrito pela Jéssica Rosa (falando sobre Cara Gente Branca) e outro pela Júlia Cruz (falando sobre Chewing Gum). Mesmo eu não tendo tempo para assistir séries, me peguei morrendo de vontade de assistir essas, confiram os posts!

~ℜ~

  • Mulheres Negras

Agora eu chego no ponto onde queria chegar desde o começo do post. Passamos pelo preconceito dos negros e das mulheres, mas e as mulheres negras?

Ah, coração, não bagunça minhas emoções para que eu saiba passar aquilo que eu quero, por favor!

O livro que eu indico foi aquele que eu mencionei laaaaa no comecinho do post, aquele que teve uma colaboração minha na escrita. Prazer, vos apresento “Meu Crespo, Minha História”.

Essa semana eu peguei para reler todos os depoimentos contidos lá e a temática do livro é essa, basicamente: mulheres negras depondo, nas mais variadas formas de escrita, a história com seus cabelos e como passaram a assumir suas origens. Ah, basicamente por ter relato masculino também, mas em sua maioria a voz é feminina (por favor, entendam o porquê de eu ter posto esse livro aqui). É totalmente emocionante pra mim falar sobre isso, pois a minha história está lá, eu sou uma dessas mulheres e aqui me coloco na pele de todas as outras mais de 50 colaboradoras desse livro que, juntamente com a Mikaela e a Walkíria, expressaram em palavras algo que, talvez por muito tempo, ninguém tenha tido coragem pra dizer.

Sabe, além dos desafios que as mulheres ocidentais enfrentam por natureza e que muitos de nós conhecemos quais são, as mulheres negras tiveram que conviver com a dor da rejeição da imagem delas como um todo. Se ser mulher já era ruim o bastante para fazer passar pela cabeça de uma delas que “se eu fosse homem talvez fosse mais fácil”, ter quer que saber que, mesmo sendo homem, seu biotipo seria considerado inadequado para todos os efeitos é algo totalmente esmagador.

Não quero dizer com isso que apenas as mulheres negras sofrem preconceitos, mas essa situação específica é algo que a sociedade não aprendeu a superar em pleno 2017.

Eu curso direito e já ouvi mulheres (e, quando digo negras, me refiro a todas que possuem alguma característica física que remeta aos fortes genes africanos) dizerem que precisam alisar o cabelo cacheado, pois mulheres de cabelo cacheado são mal vistas pelo mundo jurídico. Você já imaginou? Não é de hoje também que vejo histórias de mulheres competentes que só não alcançaram um cargo diretivo em uma empresa por conta de seus traços. Que mundo é esse em que vivemos? Pois esse livro é um copilado de histórias verdadeiramente inspiradoras de mulheres que passaram por cima de suas dores.

Ah, e além desse livro, indico uma música que muito provavelmente você já tenha ouvido: Flawless, da Beyoncé (link aqui para mais músicas na temática feminista). Se você entende o que se canta na música, já sabe onde quero chegar, não é? Beyoncé inseriu um trecho do memorável discurso da Chimamanda Ngozi Adichie em sua música e esse discurso virou livro! Sim, “Sejamos Todos Feministas” é um dos livros que eu mais tenho vontade de ler na vida e é a transcrição do discurso que a Chimamanda fez em uma conferência TEDxEuston, em 2012. Indico aqui também já que, por mais que eu não tenha lido o livro, já assisti o discurso. Nesse livro ela aborda essas três primeiras temáticas que eu abordei (ou tentei) de uma maneira super interligada.

~ℜ~

  • Ditadura

Esse foi um tema que eu resolvi inserir com o restante do post pronto, mas que me ocorreu que é um tema bastante relevante. No Brasil nós conseguimos ver a ditadura como algo histórico, mas essa ainda é uma situação que acontece ao redor do mundo e é preciso que olhemos para o nosso passado para vermos o quanto evoluímos com o retorno da democracia. Eu já falei sobre os dois livros que eu vou indicar agora aqui no blog, um deles já tem resenha inclusive, e são eles “Anos de Chumbo” e “Revolução em Mim”.

Os dois livros falam, de maneira narrativa, sobre como era a ditadura no Brasil e como foi o ressurgir da democracia aqui. Indico muito pois, por mais que sejam histórias fictícias, trazem uma noção do como eram dias complicados e faz com que possamos agradecer a liberdade que hoje possuímos.

Inclusive a Rede Globo está transmitindo uma minissérie com esse tema, chamada “Os Dias Eram Assim”. Apesar de eu não estar assistindo, por estudar a noite, indico por estar acompanhando a temática e a trama dessa minissérie.

~ℜ~

Enfim, esse foi o post de hoje. Já quero ressaltar que só não inclui a temática LGBT por motivos de que eu nunca li nenhum livro que aborde isso diretamente e porque eu farei um post específico pra isso (de outra forma, mas não menos importante), estou bem ansiosa! E outro tema que eu gostaria muito de ter mais carga literária para comentar era o Bullying, mas caso eu leia algo eu virei aqui falar sobre isso indicando algum livro também. Fico devendo esses dois temas pra vocês.

Espero que vocês tenham gostado e, caso tenham lido até aqui, não saiam antes de deixarem um comentário dizendo o que pensam do assunto, se já leram algum desses livros ou para indicar algum outro livro que eu não tenha mencionado, será um prazer descobrir novas leituras! Ah, e aproveite para se inscrever no blog, ou pelo e-mail ou pelo WordPress, de forma bem rápida aqui na lateral direita da página, okay? Eu vou ficando por aqui e vejo vocês em breve, até mais!

blogagem-coletiva-relampago-interative-se

Anúncios

8 comentários em “Leituras Obrigatórias para o Mundo e Outras Indicações {BCR}

  1. Olá! Linda lista de livros, realmente obrigatórios! Você falou do livro Sejamos Todos Feministas e me lembrei de te indicar o Americanah, da Chimamanda também, que também fala muito sobre os negros e sobre as mulheres negras.

    Beijos!

    Curtir

  2. Chuchu, eu adorei esse tema e amei a forma como você abordou. Tudo o que você disse ficou incrível, e eu fiquei bem interessada nas suas indicações literárias. Um livro que, para mim, todos deveriam ler é “1984”. Eu acho que ele retrata muito bem uma “realidade” que não está longe de acontecer. Muita gente pode não perceber do que o livro fala, mas, se você consegue associar aquela distopia com nosso mundo… sua cabeça vai à loucura! ❤

    Curtir

  3. Oie, tudo bem? Que post mais interessante, gostei muito das indicações. De todos que você indicou só conheço Eu sou Malala mas ainda não tive a oportunidade de ler. É um dos que está na minha lista pra 2017. Esse é um tema bem interessante a ser discutido no blog. Já anotei as dicas. Beijos, Érika =^.^=

    Curtir

  4. Olá, tudo bem?
    Muito legal essa ideia de blogagem coletiva, nunca participei de uma, até pq tenho meu blog tem pouco mais de 1 mês rsr Enfim, adorei as indicações! Já li um livro parecido com o Malala e é muito bom! Sucesso nesse projeto de postagem coletiva, um beijo!

    http://www.queziagoncalves.com

    Curtir

  5. Fiquei com curiosidade de ler esse livro “Eu sou Malala”, já conhecia a história por alto mas, acho que é bom lermos esse tipo de livros para perceber que nem todos temos a sorte de ter nascido em países onde podemos estudar e temos os nossos direitos mais ou menos protegidos. E ainda mais, quando ainda há tanto pra fazer para a igualdade de direitos/deveres!
    Obrigada pela dica 🙂

    beijinhos

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s