A Reclusa

Eu já imaginei mil inícios para esse texto, mas parece que nenhum consegue retratar a minha essência de fato. Vamos tentar de novo.

Eu sempre estou mudando. Okay, eu sei que você já deve ter ouvido isso milhares de vezes ou até mesmo dito isso, pode parecer até um clichê, mas é tão verdadeiro pra mim que chega dói: eu sempre estou mudando. Sempre procurando novos lugares, novos afazeres, novos jeitos, novidades. Tudo em mim muda constantemente.

Por estar em eterna mutação, não sou boa para responder perguntas de quais são minhas coisas favoritas na vida, pois de manhã pode ser meus cachorros e a noite, meus livros. Eu nunca sei dar uma resposta definitiva. Deve ser por isso que curso Direito, já que a palavra essencial para esse curso é depende.

Apesar de não saber do que gosto, tenho uma lista pronta pro que não gosto: chocolate e qualquer coisa de doce me causa enjoo, abacaxi é uma fruta que não combina comigo e eu sei como recusar um convite para tomar Coca-Cola, já que o mundo gosta dela de um jeito diferente do meu.

Meu nome tem um significado especial, é uma homenagem ao falecido irmão da minha mãe, André Luiz. Carrego com esse nome outro significado: decidida. Isso é um enorme paradoxo, já que eu não sou nem um pouco decidida. Nem constante.

Eu dependo da mudança. Sou mutável, inconstante e indecisa. Uma mutante. Talvez por isso eu me identifique tanto com Lena Duchannes, que não sabe qual cor de olho tem. E por isso me senti tão atraída pelo Imutável.

Dizem que os opostos se atraem, mas no meu caso o meu oposto me perseguiu incansavelmente até que eu O visse. Eu, sempre tão inconstante, encontrei um refúgio na Rocha Inabalável. Ele me procurou e eu busco me firmar nEle. Não é fácil, mas Ele é paciente.

Eu não acredito em signos, mas se você acreditar e se lhe ajudar em algo, o meu é Áries. Só não fuja de mim por isso, por favor. Já ouvi que esse é o pior signo para convivência, mas me dê uma chance para te provar o contrário disso.

Com tantos extremos dentro de mim e nesse texto, talvez, você se assuste. Não vá embora, vamos sentar para comer paçoca? Caso esteja disposto a mergulhar nessas águas instáveis, prometo de oferecer um passeio tranquilo, para amanhã me apresentar novamente a você. Aliás, por que não fazer isso agora?

Prazer, eu sou Andrelúcia, e você?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s